CDB, renda fixa, tesouro direto ou bolsa? Onde investir meu dinheiro para render mais

Quando se fala em investimento, claro que a primeira coisa que se vem à mente é o retorno que o negócio é capaz de entregar. Investimento em ações da bolsa podem ser um tanto complicados, mas muito rentável. Atualmente muita gente ganha dinheiro assim.

Economia
10 meses atrás
CDB, renda fixa, tesouro direto ou bolsa? Onde investir meu dinheiro para render mais
Como investir na bolsa de valores (Foto: reprodução)

Vamos começar este negócio promissor!

Um pouco sobre o que são Ações da Bolsa de Valores

Elas são partes de uma empresa que tenha seu capital aberto, ou seja, seu patrimônio é dividido em várias pequenas cotas, distribuídas aos investidores que, por sua vez, tornam-se donos destes títulos que formam a referida empresa. Para deixar mais claro: Vamos pensar num prédio ou, veículo ou qualquer outro bem que ela possui. Quanto mais ações desta empresa você tiver, maior é a sua parcela, respectivamente.

Quais são as verdadeiras vantagens de se investir em ações

Vamos enumerar em tópicos para ficar mais legível:

  • O Imposto de Renda (IR) sobre os rendimentos é cobrado apenas na saída do investimento e se o resgate for maior do que R$20 mil.
  • Não é preciso muito dinheiro para começar;
  • Potencial de boa rentabilidade no longo prazo;
  • Você recebe dividendos periodicamente;
  • Você pode comprar ou vender suas ações no momento em que quiser;
  • É possível alugar suas ações fazendo um empréstimo de ativos e ganhar um rendimento extra;

Fique afiado para quando escolher ações para comprar, com conhecimento e segurança

Vamos lá, afinal as dicas são sempre bem vindas:

  1. Sempre converse com a sua corretora, elas possuem especialistas que acompanham e analisam as empresas e o momento do mercado. Podem dar ótimas dicas, mas quem escolhe é sempre você, tornando-o unico responsável pelo desempenho de seus investimentos.
  2. Una o seu lado consumidor ao investidor, ou seja, dê preferência à ações de empresas que consuma produtos ou serviços.
  3. Aprenda o máximo sobre as empresas, conheça as estratégias, perspectivas de evolução e de comportamento no seu segmento.

Quais são os tipos de investimentos

SEGMENTO BOVESPA – Sociedade com companhias do Brasil.
Neste item é importante que tenha definido o que você quer e em quanto tempo, perguntas como O você quer fazer com o dinheiro investido, quanto tempo tem para que o dinheiro investido renda são excelentes para ajudar nos objetivos. Associe seu investimento a um grande objetivo, escolha algo significativo para você, que represente claramente o seu objetivo. Por exemplo: meu apartamento; meu carro novo; viagem que sempre planejei; aposentadoria; estudos do meu filho. EM seguida defina uma corretora, elas serão de grande ajuda para o seu perfil de investidor que será criado junto a mesma, como o melhor canal para você interagir com a corretora – telefone, Internet etc.

Em seguida é importante calcular riscos, ou seja, evite os erros mais comuns como colocar todos os recursos em um único investimento, pensar apenas no curto prazo, começar com passos muito grandes, deixar-se levar pela emoção ou seguir dicas infalíveis. Depois é só escolher um investimento.

Compra direta de ações Comprar ações significa adquirir “pedaços” de uma empresa e se tornar sócio dela. Para isso, você deve escolher muito bem as empresas para comprar ações e, depois, transmitir a ordem para a corretora. Ações geram dividendos, que são parcelas do lucro da empresa divididas entre os acionistas e você pode comprar ou vender quantas e quais ações quiser, quando quiser. Você também pode emprestá-las para obter uma remuneração adicional.
Fundos de índices (ETFs) ETFs são fundos que agregam uma cesta de ações com o intuito de obter o retorno dos índices de determinados setores do mercado. O seu investimento inicial pode ser pequeno (menos de R$200,00 em alguns ETFs), seus riscos são diluídos por estar investindo em conjuntos de ações, os dividendos são automaticamente reaplicados, fazendo seu ETF crescer, e você pode comprar e vender suas cotas como se fossem ações.
Tesouro Direto Tesouro Direto é uma alternativa de investimento na qual você sabe, na hora da aplicação, quanto o seu dinheiro vai render no futuro. Além de ser um produto simples de investir e possibilitar a escolha dos títulos que rendem no curto, médio e longo prazo, é muito seguro e é possível fazer aplicações iniciais a partir de R$30,00. Ao investir no Tesouro Direto, você compra um título com a segurança do Tesouro Nacional e, mesmo tendo data de vencimento definida, é possível vendê-lo antes do prazo final do contrato.
Fundos imobiliários Fundos imobiliários tem como objetivo aplicar recursos em negócios com base imobiliária, tais como: desenvolvimento de empreendimentos imobiliários, imóveis já prontos, títulos financeiros imobiliários ou cotas de fundos imobiliários já constituídos. Seu custo é pequeno se comparado à compra de um imóvel, permite participar de empreendimentos de alta qualidade e compor sua carteira com cotas de vários fundos. Você não precisa se incomodar com coisas inerentes à administração de imóveis e tem isenção de IR sobre os rendimentos mensais.

RENDA FIXA – Investimentos mais rentáveis e seguros como a poupança. Renda fixa é um tipo de investimento em que não se corre muitos riscos, ou seja, os investidores não só conhecem, como podem prever a rentabilidade antes de fazer investimentos. Bem diferente da renda variável (a Bolsa de Valores é um bom exemplo, pois sua rentabilidade não é garantida e, pode claramente haver prejuízo). O que muita gente não sabe é que essa diversificação pode proporcionar ainda mais segurança e rentabilidade.

O investidor de renda fixa conta com a segurança do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) – o mesmo seguro da Poupança, ela tem ótima rentabilidade, enquanto a poupança rende muito pouco, então se você quer fugir dessa regra, precisa saber que na Renda Fixa você ter um aumento mais significativo de capital que na poupança. Vamos entender como este processo funciona: investir em renda fixa é como emprestar o seu dinheiro para instituições, que utilizam o dinheiro financiando suas atividades que, em troca, devolvem o investimento acrescido de taxa de juros. Falamos de diversos tipos de título, ou seja, são inúmeras possibilidades diferentes para investir. Você pode escolher um título compatível ao seu perfil, com o seu momento vivido, objetivos, ou até mesmo, fazer combinações de modalidades numa carteira de investimentos diversificada.

CDB – Certificado de depósito bancário, oferece boa rentabilidade, a aplicação é garantida pelo FGC – Fundo Garantidor de Crédito (valor total coberto é limitado ao teto de R$ 250 mil por CPF em cada instituição financeira), com investimentos a partir de R$ 1 mil e opções de prazos e perfis de CDB.

LCI – Letra de Crédito Imobiliário, isento de imposto de renda, oferece boa rentabilidade, a aplicação é garantida pelo FGC – Fundo Garantidor de Crédito (valor total coberto é limitado ao teto de R$ 250 mil por CPF em cada instituição financeira), com investimentos a partir de R$ 1 mil.

LCA – Letra de Crédito Agronegócio, investimentos a partir de R$ 1 mil, oferece boa rentabilidade, a aplicação é garantida pelo FGC – Fundo Garantidor de Crédito (valor total coberto é limitado ao teto de R$ 250 mil por CPF em cada instituição financeira), isento de imposto de renda.

TESOURO DIRETO – Investimento no país faz o investidor participar de um programa governamental em parceria com a BM&FBOVESPA, com objetivo de financiar o governo brasileiro. Trata-se de uma das melhores remunerações de investimento em renda fixa do mercado.

FUNDOS DE INVESTIMENTO – é um conjunto de investidores que realizam um determinado investimento financeiro. Não possui personalidade jurídica, e é constituído tal qual um condomínio, com objetivo pontual ou por retorno financeiro repartindo receitas e despesas do empreendimento. A administração/gestão do fundo é realizada por especialistas visando o maior lucro possível junto ao menor nível de risco calculado. As carteiras geralmente podem ser mais ou menos diversificadas, contando com ativos como títulos de renda fixa (CDBs), títulos cambiais, títulos públicos, derivativos ou commodities negociadas em bolsas de mercadorias e futuros etc. O dinheiro aplicado nos fundos é convertido em cotas, distribuídas entre os aplicadores, tornando-os proprietários de partes proporcionais da carteira.

Como investir na bolsa de valores pela internet em ações para iniciante

Vamos esclarecer agora uma parte importante para os interessados em investimentos, vamos explicar como funciona a Bolsa de Valores e como aplicar em ações. É assim, um indivíduo compra uma ação de determinada empresa e passa a ser um pequeno sócio deste negócio. Existem dois tipos de ações:

Ordinária (ON) – Concede o direito de voto em assembléia a respeito das definições da empresa.
Preferencial (PN) – não concede qualquer tipo de voto, porém torna preferencial em recebimento de dividendos.

Como funciona este processo de recebimento de lucros?

As instituições dividem os lucros com acionistas, algumas mensalmente, outras a cada trimestre. Dividendos distribuidos ao investidores “ONs” as vezes são diferentes dos que são disponibilizados aos “PNs” (as preferenciais recebem maiores valores, pois as PNs tem rotatividade de compra e venda maior e mais fácil. Mas vale lembrar que algumas empresas disponibilizam apenas ações ordinárias nominativas).

Enfim, como investir em ações?

A compra e venda de ações são negociadas nas Bolsas de Valores e no Brasil acontece na B3 – união da BM&F Bovespa e Cetip. As negociações são feitas através de corretoras habilitas pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários), há uma lista disponível das corretoras em sites oficiais. Para iniciar as compras e vendas no mercado de ações é imprescindível que se faça um cadastro numa corretora de sua preferência, este cadastro deverá conter informações como nome do comprador/vendedor, profissão, endereço (é preciso entregar cópias dos documentos de identificação como RG, CPF e comprovante de residência). Após este processo relativamente simples, a corretora abrirá sua conta na Bolsa, atenção na escolha, pois cada instituição é quem determina a quantia mínima para a abertura desta referida conta.

As ações podem ser compradas de três maneiras

  1. Fundos de Investimento -Funciona como um condomínio. Cada sócio possui uma cota, correspondente. Cada fundo cria seu estatuto, informando as regras e o grau de risco nos investimentos. Qualquer fundo necessita de um gestor certificado pela CVM, coordenando como funcionarão as compras e vendas de seus títulos. Quando uma pessoa compra um fundo, necessariamente deverá estar de acordo com esta política de investimento antecipadamente dita.
  2. Clubes de Investimento – Clubes são de caráter menos formal que um fundo. Funcionando entre um grupo de amigos ou familiares, sendo aberto com no mínimo de três pessoas com limite de 50 participantes. O Clube não precisam de gestor certificado, porém é necessário um representante que oriente a corretora sobre compra ou venda de ações (há maior liberdade entre o clube sobre quanto e onde será investido).
  3. Individualmente – a própria pessoa é quem controla ordens de compra ou venda de suas ações. O investidor precisará acompanhar sua conta, poderá acompanhar custos de operação, comprar e vender ações via Internet (com exceção dos fundos – quem compra e vende é apenas o gestor). Nesse caso, em muitas corretoras, ele pode comprar a cota do fundo, famoso Home Broker podendo ter acesso via internet, pelo site de uma corretora detentora do produto (lista dessas corretoras pode ser encontrada no site da Bolsa).

As ordens de compra e venda também podem ser dadas pelo investidor via telefone, ele liga para sua corretora e informa o que deseja fazer. Sempre que se compram ou vendem ações, há um período de três dias úteis de tramite entre a saída ou entrada do dinheiro na conta do investidor. Entre fundos ou clubes, cada regulamento próprio indica o tempo e o dinheiro, sobre ser retirado após uma ordem efetuada.

Taxas

Taxa de administração – Cobrada por fundos e clubes, é calculada anualmente em relação ao valor aplicado no fundo e cobrada proporcionalmente ao período em que o investidor manteve operações. Caso o investidor sacar o dinheiro em 6 meses, pagará a taxa proporcional ao período.
Taxa de corretagem – cobrada por emissão de ordem de compra ou venda.
Taxa de custódia – Cobrança mensal pela guarda das ações (é facultativo à corretora cobra-lá ou não nos meses em que o investidor movimentou com compra ou venda de suas ações).
Taxa de emolumentos – paga à Bolsa, é calculada sobre o de compras ou vendas das ações.
Taxa de performance – é cobrado quando o fundo supera o rendimento proposto.

Torna-se importante pesquisar valores e taxas das corretoras, elas variam de uma para a outra, com exceção da taxa de emolumentos, cobrada pela Bolsa.

Qual o valor mínimo para investir em ações?

Na verdade isso é mito, não há qualquer valor estipulado, eles variam de acordo com o preço das ações e com a corretora. Mas o pensamento é simples, para os que investem valores pequenos (R$ 1.000), podem optar por um clube ou fundo, é uma forma inteligente de aumentar o total investido. O administrador precisará avaliar a proporção dos custos sobre o valor investido para que, obviamente, a ação renda para pelo menos cobrir esses custos.

Sobre os riscos

O mercado de ações é considerado investimentos de alto risco, ou seja, pelas variações nos preços, não há garantia de retorno do dinheiro que fora investido. Alterações no setor de atuação da empresa podem influenciar o gráfico é o risco de mercado.
Fora o risco de liquidez, que se trata de não conseguir vender a ação outrora comprada (preste atenção, pode não ser ideal comprar ações de valores que sejam importantes em curto prazo.

Possíveis ilusões de um investidor iniciante

Não é possível esperar da renda variável a previsibilidade da renda fixa, mas o mercado acionário está cada vez mais ativo despertando sonhos em muitos conterrâneos que acreditam ser possível enriquecer sem trabalhar. Mas, ao longo do tempo, descobrem que nem tudo é tão fácil quanto o imaginado e acabam se emaranhando num bocado de situações sem fim, perdendo seus investimentos.

Quais são as maiores ilusões do investidor iniciante?

Ficar confiante em resultados previsíveis é um verdadeiro problema clássico do investidor iniciante na renda variável. Outra ilusão é acreditar que longos períodos de alta serão eternos. Mais um problema é a confiança pela chamada, sorte de principiante, que pode desencadear percepções equivocadas pois o investidor que conquistou alguns acertos sequenciais no início começa a crer na possibilidade de toque mágico no processo, que é mais inteligente que todos, e por ai adiante. ALERTA! Confiantes podem assumir riscos desnecessários que possivelmente não estarão preparados para o determinado momento. Outra falha clássica é acreditar que pode ficar rico facilmente, sendo que não existe enriquecimento qualquer sem trabalho e/ou pesquisa. Por último, levar em consideração qualquer tipo de boato, nem sempre são fiéis e caso permita-se deixar levar apenas pelo que é veiculado pela mídia pode ser perigoso para os negócios.

Evitando o desespero

Para evitar o caos das desilusões, o iniciante pode buscar o máximo de informações possíveis antes de investir em qualquer ação, desde relatórios recentes da empresa a conselhos de profissionais da área, tendo a certeza de que na renda variável, tudo normalmente muda rapidamente.

Use um simulador de investimentos e uma corretora de confiança antes da tomada de decisão

Nossas considerações finais são de que este material é para conhecimento geral com cunho informativo, ou seja, não é qualquer recomendação financeira/estratégica para qualquer natureza de investimentos.

  • Avalie a performance do tipo de investimento (recomendável uma análise de período de 12 meses no mínimo)
  • Diversificação de portfólio deve ser considerado na análise para investimento (isso permite que o investidor tenha portfólios se enquadrando aos seus objetivos financeiros sua tolerância de risco).
  • Há posições concentradas (presença significativa de um único ativo ou certa classe de ativos no portfólio do investidor, ou ainda, de ativos de um único emissor) que apresentam maiores riscos de perdas comparadas às posições diversificadas.
  • Não há qualquer fórmula ou porcentagem de uma classe de ativos ou de um ativo que seja enquadrado para todos os investidores de um modo geral.
  • Vale a pena conversar com a corretora de confiança para adquirir mais confiança sobre diversificação de portfólio.

Dúvidas e sites úteis

Outras informações podem estar no Portal do Investidor, da CVM (Comissão de Valores Mobiliários). As possíveis dúvidas, podem ser esclarecidas no Serviço de Atendimento ao Cidadão da citada Comissão de Valores Mobiliários. A Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) oferece em seu site, conteúdos de ajuda de como investir, informações sobre fundos de investimentos e ações. A Bolsa oferece cursos pagos e gratuitos acerca do tema.

Principais Fontes:

  • Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima)
  • Comissão de Valores Mobiliários (CVM)
  • Pontíficia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)
  • Corretora Ágora Faculdade de Engenharia Industrial (FEI)
  • XP Investimentos.

Fusne

O Fusne é um site para quem ama internet, nós somos especializados em comprar online. O que você vai encontrar por aqui é escrito por humanos, que vivem fazendo compras online, assim como você, então entende as suas dificuldades e tristezas nessas horas. O material do Fusne é testado várias e várias vezes pela equipe... Leia Mais

Vamos Bater um Papo?